quarta-feira, 25 de abril de 2012

SAÚDE DCM - ATENÇÃO! - Dengue tipo 4 chega a Santos e totaliza 17% dos casos no Estado

Fonte: ATribuna.com, com informações da Agência Estado
Entre os casos de dengue analisados neste ano, 17% referem-se ao tipo 4, segundo informa a Secretaria de Estado da Saúde. Essa incidência já preocupa especialistas, como o infectologista Evaldo Stanislau de Araújo, que não descarta uma nova onda na região. “Felizmente, o tipo 4 chegou em um período de temperaturas mais amenas, o que desfavorece a proliferação do mosquito transmissor. Mas, se medidas não forem tomadas ao longo do segundo semestre, podemos ter a repetição de uma epidemia no próximo ano ou até antes, se a temperatura subir”, alerta o médico do Hospital Ana Costa, em Santos, e do Hospital das Clínicas, na Capital.

O restante dos casos analisados no Estado, com base em uma amostragem, dividem-se entre os subtipos 1 (75%) e 2 (8%) da dengue, ambos recorrentes nos anos anteriores.


Tipo 4

O tipo 4 foi reintroduzido no País em 2010, depois de 28 anos sem registro. Em 2011, o primeiro caso deste sorotipo da doença no Estado foi identificado em São José do Rio Preto.
Como a maioria da população nunca esteve exposta ao tipo 4, praticamente todas as pessoas não têm imunidade, ao contrário dos outros subtipos (1, 2 e 3).

Na Baixada Santista, os primeiros registros da nova forma de dengue foram anunciados na última sexta-feira, quando a Secretaria Municipal de Saúde deu o alerta: quatro casos de dengue tipo 4 confirmados em Santos.

Para Stanislau de Araújo, a chegada do novo subtipo na região já era esperada. “A Baixada Santista concentra grande circulação de pessoas de outros municípios. Mais cedo ou mais tarde, a dengue 4 iria bater à nossa porta”, afirma.

Segundo ele, além do mosquito transmissor da doença (fêmea do Aedes aegypti), “o homem também é um vetor de transmissão do vírus da dengue”. A transmissão nos mosquitos ocorre quando ele suga o sangue de uma pessoa já infectada com o vírus.

Risco

Além de reforçar o combate ao mosquito, o infectologista aponta a necessidade de intensificar o treinamento das equipes de atendimento. “A dengue é tratada basicamente com hidratação rigorosa. É preciso qualificar o diagnóstico e garantir retaguarda de leitos”.

No entanto, o médico descarta motivo para pânico. “Não há nada que diferencie o tipo 4 dos demais subtipos da doença. Se o tratamento for adequado e não houver complicações, a dengue será clássica”, explica.

Ele também esclarece que as complicações podem ocorrer devido à resposta imunológica exagerada do organismo. “Seria como se os anticorpos respondessem de forma exagerada para controlar o vírus. Por isso, há casos que em a reincidência (da dengue) é mais grave”.

Contudo, ele afirma que às vezes a primeira infecção já é grave. “Em cada 100 casos de dengue, em cerca de 60 a doença é assintomática (sem manifestação dos sintomas). Portanto, uma pessoa que nunca teve os sintomas (febre alta, dor no corpo e manchas vermelhas) pode ter sido infectada”, finaliza Stanislau.

Internação

Neste ano, em Santos, já foram confirmados 63 casos, todos de dengue clássica. Há 410 notificações, das quais 147 ainda aguardam confirmação.

Duas pessoas estão internadas com suspeita de dengue: uma mulher, na UTI da Santa Casa de Santos, e um menino de 12 anos, no Hospital Infantil Gonzaga. A mulher tem síndrome de Guirlan Barré, que pode se desenvolver a partir de um quadro de dengue. Já o menino teve queda nas plaquetas do sangue, mas o quadro pode estar ligado à leucopenia.

Epidemia no Rio

O município do Rio vive uma epidemia de dengue, segundo a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil. A epidemia se caracteriza quando são registrados mais de 300 casos por 100 mil habitantes e a tendência é crescente. No mês de março foram notificados 376,5 casos por 100 mil habitantes. De 1 janeiro a 21 de abril houve 50.016 casos da doença e 12 mortes no município. No mesmo período do ano passado ocorreram 31 óbitos. Em 2002 e 2008, anos das últimas epidemias, houve 62 e 136 óbitos, respectivamente, nesse mesmo período no Rio. Em todo o Estado do Rio foram registrados 64.423 casos de dengue neste ano. No mesmo período de 2011 haviam sido notificados 96.253 casos de dengue no Estado.
Postagem Anterior
Proxima Postagens

Postado Por:

Defesa e Cidadania da Mulher é uma organização não governamental de Praia Grande/SP, nomeada Utilidade Pública e sem fins lucrativos. Desde 2005, atuamos nas bases: social, educacional, profissionalizante e cultural, destinadas à conscientização, assistência e amparo às mulheres de qualquer idade, raça ou religião, possibilitando-a que esta exerça a sua cidadania de forma consciente, visando na erradicação da Violência Doméstica.

0 comentários: