Quem Somos

Conheça a Ong DCM

Doações

Saiba como fazer a sua doação

Seja um Voluntário!

Saiba como se tornar um voluntário

quarta-feira, 25 de abril de 2012

ONG DCM participa do Fórum Regional de Pontos de Cultura

Fonte: Da Redação, com informações de PG Notícias

ONG Defesa e Cidadania da Mulher representa Praia Grande com o projeto Construindo o Futuro

ONG DCM participa hoje (25) e amanhã (26) do Fórum Regional de Pontos de Cultura que ocorre na cidade de Bertioga, com a oficina e fábrica artesanal Construindo o Futuro, realizada pela entidade.

Durante o evento, serão realizados debates e mostras artísticas sobre o assunto. Ponto de Cultura é a ação principal do programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura, que consiste na potencialização de iniciativas culturais já existentes no País, como capacitações e investimentos em equipamentos. O Fórum acontece no Sesc Bertioga, localizado na Rua Pastor Djalma da Silva Coimbra, 20.

O projeto Construindo o Futuro foi inspirado no trabalho de uma artesã de Itariri, no Vale do Ribeira, que usa como matéria-prima a fibra da banana. “A ideia surgiu após conhecer as peças confeccionadas por essa artesã. Entrei em contato com ela, que se interessou em ensinar o ofício às mulheres que frequentam nossa entidade”, explicou a presidente da ONG, Ana Silvia Passberg de Amorim.

O trabalho, voltado a mulheres de baixa renda e vítimas de violência doméstica, ganhou o título Ponto de Cultura em janeiro de 2010. “Encontros como este são muito importantes, pois o trabalho em conjunto com outros projetos é essencial para difusão da Cultura no País”, explicou Ana Silvia Amorim.

Confira programação completa do fórum:

- 25 de abrilAbertura com o MinC / SEC e Comissão Paulista dos Pontos de Cultura
Manhã - Sistema, Plano Nacional da Cultura, Fundo Nacional de Cultura, Conferências Setoriais e Conselhos
Tarde - Gestão (Plano de Trabalho, Prestação de Contas, Relatórios, processo de três orçamentos e modelo de contratação)
Noite: Mostra Artística /Intervenção Urbana/Interações Estéticas

- 26 de abrilManhã - Economia Criativa / Solidária / Sustentabilidade
Tarde - Fórum / Comissão Paulista de Pontos de Cultura da Região
Temas: Redesenho do Programa Cultura Viva, formato para o novo edital de + 300 de pontos de cultura no Estado de São Paulo, editais de circulação e ação em rede, editais de mídias livres e redes sociais
Noite: Mostra Artística /Intervenção Urbana/Interações Estéticas

Ponto de Cultura

Uma rede orgânica de gestão, agitação e criação cultural do País, o Ponto de Cultura é a potencialização de iniciativas culturais já existentes. Em alguns pode ser a adequação do espaço físico, em outros, a compra de equipamentos ou, como a maioria, a realização de cursos, oficinas culturais e produção contínua de linguagens artísticas (música, dança, teatro, cinema, capoeira, entre outras).

Os projetos selecionados funcionam como instrumento de pulsão e articulação de ações já existentes nas comunidades, contribuindo para a inclusão social e a construção da cidadania, seja por meio da geração de emprego e renda ou do fortalecimento das identidades culturais.

SAÚDE DCM - ATENÇÃO! - Dengue tipo 4 chega a Santos e totaliza 17% dos casos no Estado

Fonte: ATribuna.com, com informações da Agência Estado
Entre os casos de dengue analisados neste ano, 17% referem-se ao tipo 4, segundo informa a Secretaria de Estado da Saúde. Essa incidência já preocupa especialistas, como o infectologista Evaldo Stanislau de Araújo, que não descarta uma nova onda na região. “Felizmente, o tipo 4 chegou em um período de temperaturas mais amenas, o que desfavorece a proliferação do mosquito transmissor. Mas, se medidas não forem tomadas ao longo do segundo semestre, podemos ter a repetição de uma epidemia no próximo ano ou até antes, se a temperatura subir”, alerta o médico do Hospital Ana Costa, em Santos, e do Hospital das Clínicas, na Capital.

O restante dos casos analisados no Estado, com base em uma amostragem, dividem-se entre os subtipos 1 (75%) e 2 (8%) da dengue, ambos recorrentes nos anos anteriores.


Tipo 4

O tipo 4 foi reintroduzido no País em 2010, depois de 28 anos sem registro. Em 2011, o primeiro caso deste sorotipo da doença no Estado foi identificado em São José do Rio Preto.
Como a maioria da população nunca esteve exposta ao tipo 4, praticamente todas as pessoas não têm imunidade, ao contrário dos outros subtipos (1, 2 e 3).

Na Baixada Santista, os primeiros registros da nova forma de dengue foram anunciados na última sexta-feira, quando a Secretaria Municipal de Saúde deu o alerta: quatro casos de dengue tipo 4 confirmados em Santos.

Para Stanislau de Araújo, a chegada do novo subtipo na região já era esperada. “A Baixada Santista concentra grande circulação de pessoas de outros municípios. Mais cedo ou mais tarde, a dengue 4 iria bater à nossa porta”, afirma.

Segundo ele, além do mosquito transmissor da doença (fêmea do Aedes aegypti), “o homem também é um vetor de transmissão do vírus da dengue”. A transmissão nos mosquitos ocorre quando ele suga o sangue de uma pessoa já infectada com o vírus.

Risco

Além de reforçar o combate ao mosquito, o infectologista aponta a necessidade de intensificar o treinamento das equipes de atendimento. “A dengue é tratada basicamente com hidratação rigorosa. É preciso qualificar o diagnóstico e garantir retaguarda de leitos”.

No entanto, o médico descarta motivo para pânico. “Não há nada que diferencie o tipo 4 dos demais subtipos da doença. Se o tratamento for adequado e não houver complicações, a dengue será clássica”, explica.

Ele também esclarece que as complicações podem ocorrer devido à resposta imunológica exagerada do organismo. “Seria como se os anticorpos respondessem de forma exagerada para controlar o vírus. Por isso, há casos que em a reincidência (da dengue) é mais grave”.

Contudo, ele afirma que às vezes a primeira infecção já é grave. “Em cada 100 casos de dengue, em cerca de 60 a doença é assintomática (sem manifestação dos sintomas). Portanto, uma pessoa que nunca teve os sintomas (febre alta, dor no corpo e manchas vermelhas) pode ter sido infectada”, finaliza Stanislau.

Internação

Neste ano, em Santos, já foram confirmados 63 casos, todos de dengue clássica. Há 410 notificações, das quais 147 ainda aguardam confirmação.

Duas pessoas estão internadas com suspeita de dengue: uma mulher, na UTI da Santa Casa de Santos, e um menino de 12 anos, no Hospital Infantil Gonzaga. A mulher tem síndrome de Guirlan Barré, que pode se desenvolver a partir de um quadro de dengue. Já o menino teve queda nas plaquetas do sangue, mas o quadro pode estar ligado à leucopenia.

Epidemia no Rio

O município do Rio vive uma epidemia de dengue, segundo a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil. A epidemia se caracteriza quando são registrados mais de 300 casos por 100 mil habitantes e a tendência é crescente. No mês de março foram notificados 376,5 casos por 100 mil habitantes. De 1 janeiro a 21 de abril houve 50.016 casos da doença e 12 mortes no município. No mesmo período do ano passado ocorreram 31 óbitos. Em 2002 e 2008, anos das últimas epidemias, houve 62 e 136 óbitos, respectivamente, nesse mesmo período no Rio. Em todo o Estado do Rio foram registrados 64.423 casos de dengue neste ano. No mesmo período de 2011 haviam sido notificados 96.253 casos de dengue no Estado.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

APÓS DECISÃO DO STF - Juiz autoriza pedido de antecipação de parto de feto anencéfalo

Fonte: Última Instância Uol


A Justiça de Pernambuco autorizou, nesta segunda-feira (23/4), o pedido de antecipação de parto requerido por uma mulher grávida de quatro meses de um feto anencéfalo. A decisão do juiz Pedro Odilon de Alencar, da 3ª Vara do Tribunal do Júri de Recife, segue o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal), adotado em votação no último dia 12.

O pedido foi feito à Justiça pela Defensoria Pública na última quarta (18/4), cadastrado e distribuído para a vara na sexta-feira (20/4). Com base nos documentos apresentados e no parecer favorável do MP-PE (Ministério Público de Pernambuco), o juiz deferiu a solicitação. O laudo médico constatando a má-formação foi feito pelo Cisam (Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros).

O juiz Pedro de Alencar fundamentou sua decisão no artigo 5º, incisos III e XXXV, da Constituição Federal, que diz que todos são iguais perante a lei e que ninguém será submetido a tortura, nem a tratamento desumano ou degradante.

O magistrado citou também o artigo 5º da Lei de Introdução ao Código Civil. De acordo com o dispositivo, o juiz atenderá, na aplicação da lei, aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum.

Judiciário pernambucano

Em um dos julgamentos mais importantes do ano, o STF permitiu, por 8 votos a 2, a interrupção de gravidez nos casos de feto anencéfalo. A decisão do Supremo uniformiza a jurisprudência sobre o tema, que, antes, ficava a cargo da interpretação de cada magistrado.

O Poder Judiciário pernambucano, por exemplo, já havia adotado esse posicionamento antes. Em 2005, o desembargador Silvio de Arruda Beltrão, da 3ª Câmara Cível da capital, já havia reconhecido o direito da gestante, negado em primeira instância.

Na ocasião, o desembargador destacou que a manutenção da gravidez “proporciona lesão à saúde física e psíquica da gestante, bem assim atenta contra a sua dignidade enquanto pessoa uma”. E justificou: “impõe situação vexatória e constrangedora, posto que a submete a levar a termo uma gravidez que não logrará êxito e, ainda, poderá lhe trazer sérios problemas à saúde”.