segunda-feira, 14 de novembro de 2011

ONG DCM se encontra com Maria da Penha em Conferência

Fonte e foto: Prefeitura de Limeira e Da Redação

Com uma história de vitória sobre a violência domiciliar, Maria da Penha Maia Fernandes emociona e inspira. Sua luta pelos direitos da mulher contra qualquer violência física, psicológica ou patrimonial sofrida dentro de casa transformou-se em Lei e, hoje, protege muitas outras mulheres.

No dia 9 de novembro, o Fundo Social de Solidariedade de Limeira realizou o 1º Encontro Regional em Defesa à Mulher Vítima de Violência, que contou com palestra da farmacêutica bioquímica, que passou por diversas violências e sofreu duas tentativas de homicídio cometidas pelo próprio marido, e reuniu instituições e órgãos públicos de Limeira e outras 23 cidades.  A ONG DCM, o CONDIM e a Prefeitura de Praia Grande foram especialmente convidados a participar do evento.




A Presidente da ONG DCM, Ana Silvia Passberg de Amorim (à esquerda) e  a coordenadora de Ação e Cidadania de Praia Grande, Sônia Regina Carvalho da Cunha (à direita), comparaceram ao evento



O histórico de vida de Maria da Penha Maia Fernandes culminou na sanção da Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006, pelo ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva: a Lei Maria da Penha.

O evento divulgou ainda a segunda edição da Campanha "Não se cale. Violência contra a mulher é crime", realizada pelo Fundo Social da Cidade interiorana e o Centro de Promoção Social Municipal.
Durante sua palestra, Maria da Penha descreveu com detalhes os sofrimentos infligidos por seu ex-marido, deixando-a paraplégica, e como foi longa e penosa a busca por justiça. Para ela, as mulheres não devem temer denunciar seus parceiros violentos, mas ter a consciência de que tem o direito de ser feliz.
"É muito importante a divulgação dos direitos da mulher para que elas busquem uma solução para os problemas que enfrentam, muitas vezes pelo uso da força de maneira covarde. Hoje temos a Lei, temos programas de proteção e casas de acolhimento, e devemos continuar lutando e buscando a felicidade", disse.

Maria incentiva também a disseminação desses direitos e do respeito à mulher desde cedo, dentro das escolas."A educação no trânsito rendeu muitos frutos, pois as crianças ensinam os pais sobre o que é correto fazer. Tendo a educação voltada aos direitos da mulher e o respeito, as crianças estimularão seus pais a proceder de forma correta também em relação às mães", explicou.

Um comentário:

  1. Convite:

    http://scmcampinas.blogspot.com/2011/11/blogagem-coletiva-pelo-fim-da-violencia.html

    Blogagem coletiva pelo fim da violência contra a mulher. Dia 25 de novembro. Participe!

    ResponderExcluir