ATENÇÃO MÃES!!!! AVC EM CRIANÇAS!

domingo, 21 de fevereiro de 2010
Foto: Divulgação


Fonte:Sec. de Saúde do Estado de SP

Saúde alerta para risco de acidente vascular cerebral em crianças
No ano passado, foram registrados 177 casos entre crianças até 14 anos

A Secretaria da Saúde faz um importante alerta para os pais: criança também corre risco de sofrer Acidente Vascular Cerebral (AVC). Apesar de ser um problema que na maior parte dos casos acomete pessoas adultas, há risco também para os pequenos. Em 2008, foram registrados 266 casos, com 28 óbitos e, em 2009, foram 177, entre crianças até 14 anos de idade.

O AVC ocorre quando há uma interrupção do fluxo sanguíneo para determinada área do cérebro, provocando um infarto ou hemorragia. Em 90% dos casos algum membro do corpo para de funcionar. Os sintomas mais frequentes são diminuição da força muscular (que pode ser localizada ou generalizada), perda da consciência, defeito no campo visual, dificuldade na fala, dor de cabeça e convulsão, entre outros.

"Não existe prevenção para o AVC na população infantil. Algumas crianças fazem parte de grupo de risco para o AVC, como portadores de anemia falciforme, cardiopatias congênita, hipercolesterolêmia e diabetes. Os fatores de risco da doença na infância são diferentes dos casos em adultos (hipertensão arterial, obesidade e infarto)", afirma o neuro-pediatra do Hospital Infantil Darcy Vargas, Paulo Breinis.

Existem dois tipos de Acidente Vascular Cerebral: o isquêmico e o hemorrágico. O primeiro é mais comum e provoca uma interrupção da passagem do fluxo sanguíneo para uma determinada área do cérebro. Já o hemorrágico, geralmente o mais grave, se caracteriza pelo derrame cerebral, no qual, além da obstrução, existe vazamento de sangue. As sequelas podem ser reversíveis, como num AVC isquêmico pequeno ou podem deixar problemas neurológicas importantes. O tratamento é baseado na reabilitação multidisciplinar com fisioterapia, psicologia e outros tratamentos.

"Após o primeiro episodio, é realizada uma extensa investigação (laboratorial e neurorradiológica) para se determinar a causa. O grande objetivo é que, se soubermos a causa, temos como evitar a repetição do evento AVC. A investigação sobre as causa do AVC na infância é fundamental. Mesmo assim, apesar de todo aparato médico científico tecnológico, ficamos sem saber o que realmente ocorreu em cerca de 30% dos casos", completa Dr. Paulo Breinis.

48 comentários:

{ Dav } at: 25 de julho de 2010 05:06 disse...

O meu filho teve um AVC por volta do segundo/ terceiro mês, segundo o que me apercebi, coincidiu com uma bronquiolite, mas senti que algo estava mal e fui correr para o hospital, aspiraram-no, pois tinha muita ranhoca, mas não fizeram mais nada, a partir de ai chamei a atenção do pediatra e ele disse-me que não era nada, mesmo com sintomas bastante óbvios em que ele mexia muito pouco o lado esquerdo e até o sorriso era torto, mudei de pediatra aconteceu a mesma coisa, receitavam-me pomadinhas e antibiótico porque era um jeito no pescoço, diziam eles, até que me fartei, como não sabia a quem recorrer marquei uma consulta num ortopedista, ele esteve a ver e escreveu uma carta para o pediatra, ai o pediatra fez então o especial favor de o mandar para a fisioterapia mas dizendo que não era nada, quando fui a fisioterapia, apenas pelas descrições que dei, mesmo sem ver o bebe disseram-me que provavelmente o motivo de estar assim era de foro neurológico, mas que era melhor ver o bebe, levei o bebe e depois de uma consulta de quase uma hora com varias estimulações chegaram a conclusão que não tinha nenhum problema físico, e que o mais certo era ser neurológico, marquei uma consulta no neurologista e ele confirmou-o e mandou fazer uma ressonância magnética, fiz e a conclusão é:

Sequela de extenso enfarto da artéria cerebral media direita que se acompanha de hemi-atrofia da calote

ou seja a hemi-calote direita já tem apenas metade do tamanho da esquerda,perguntei ao neurologista se era não seria melhor saber a causa para prevenir e ele disse-me que não, isto não ia voltar a acontecer,não vale a pena, mas pelo que tenho lido na Internet vale e o enfarte pode ter sido causado por muitas coisas
será que removendo a obstrução da artéria no fim de 6 meses pode ajudar? sinto-me impotente,acho que os pediatras não servem para nada, só me atrasaram, put* de sorte, não sei o que fazer.

{ fonsec } at: 15 de dezembro de 2010 15:09 disse...

Infelizmente pouco poderá fazer. A fisioterapia orientada para crianças poderá ajudar. Valerá a pena consultar um Centro com experiencia nestes casos, que pela sua raridade são muitas vezes mal interpretados em observações "de rotina", para se determinar uma possível causa congénita, genética ou hereditária, numa perspectiva preventiva para o caso de virem a ter mais filhos.
Boa Sorte.

Anônimo at: 2 de fevereiro de 2011 14:54 disse...

o meu filho teve um avc hemorragico com 8anos no dia 18 de agosto de 2010, nunca foi uma crianca doente e estava na escola quando isso aconteceu, foi apenas uma dor de cabeca, ficou em coma um mes esta com o lado direito todo paralizado nao anda nao fala nao se senta sozinho, tem uma vista torta e so ha duas semanas e que comecou a comer pela boca mas tudo passado, tem dificuldade a beber liquidos ainda tem que ser pelo tubo que tem na barriga que vai ate ao estomago.Tem feito fisioterapia diariamente mas as melhorias sao muito lentas. Gostaria de saber se o lado direito vai voltar a funcionar porque ate agora esta inativo e se vai voltar a falar e andar pois ja vai fazer seis meses estou desesperada com esta situacao e nao sei o que fazer.

Anônimo at: 7 de fevereiro de 2011 00:03 disse...

minha filha, com 2 anos e meio teve avc isquemico 2 vezes,ficando com lado esquerdo paralizado. Um passou rapido, cerca de 2horas, e outro teve duração de 3 dias com essa paralisia. Qdo saimos do hospital, ela voltou a andar e depois de 20 dias ela estava normal sem sequelas visiveis, ninguem diz q ela teve isso! faz fisio e ainda estão estudando o q pode ter acontecido. Mas foi Deus na sua infinita misericordia q curou minha filha, pois o neuro disse q ela teria sequelas e isso nao aconteceu...até os fisioterapeutas ficam admirados com a recuperação dela. ela é sem dúvida um milagre na minha vida....é só ter fé!!!!

{ Instituto Mover } at: 14 de fevereiro de 2011 11:04 disse...

Olá,
Sou da ONG Instituto Mover, realizamos campanhas de prevenção e reconheciemtno dos sintomas de um AVC, parabéns pela abordagem deste tema que alerta as mães dos possíveis riscos.
Postei esta matéria em nosso facebook e postaremos em nosso site www.mover.org.br
Um abraço,
Rejane Duarte

Dra Rejane Macedo at: 10 de maio de 2011 22:39 disse...

Sou neuropediatra e faço especialização em neurovascular/doppler transcraniano. Nos casos de AVC na infância que acompanho, vemos que os defechos são variáveis, também a depender da etiologia e da extensão e localização da lesão. Em crianças, felizmente, ainda vemos casos com recuperação completa dos déficits, graças à plasticidade cerebral. Mas ainda é uma doença com alta taxa de morbidade e mortalidade, além de mal reconhecida e até mesmo mal manejada. É necessário melhor conscientização da própria classe pediátrica.

Anônimo at: 29 de maio de 2011 23:32 disse...

Esperança e Fé...
Meu nome é Alexandre, sou pai da Letícia Camila, a qual no dia 06jun2007 no dia do meu aniversário teve um AVCI. Detalhe ela estava internada devido a um virose. Hoje esta em tratamento com sequelas do lado direito, mas com fé tudo se resolve. Agradeço a Casa da Criança de C Jordão/SP, aos Médicos do Hospital São Francisco de Assis de Jacarei/SP, ao Fisioterapeuta Dr Carlos Eduardo (CAE), Fonoaudiolaga Dra Marcia Pelegatti, Neurologista Dra Valeria Gandoffi, TOcupacional Dra Isabella, Oftamologista Dr Edson Reis, a Profa Ana Paula Pazzianotto e Funcionários da Escola SEA. Tbem a todos que rezaram e estão até hoje nos ajudando no tratamento da Leticia, que dia a dia apresenta melhoras. E sempre com agradecimento em nossas orações.

Anônimo at: 13 de junho de 2011 11:56 disse...

Graça e Paz a todos, tenho um sobrinho de 7 anos e ontem a noite quando estava dormindo levantou derepente e sentou na berada da cama com os olhos arregalados e os dedos das mãos totalmente tortos, por 5 minutos não respondia nem dava sinal de nada ( totalmente paralizado ) não houve o mesmo com a boca, levamos ao médico e o mesmo disse que era convulsão, porém solicitou encaminhamento ao Neurologista, hoje ele não se lembra de nada do ocorrido, e está com se nada tivesse acontecido, pode ser algum sintoma de AVC?? Estamos fazendo exames.

Anônimo at: 3 de agosto de 2011 22:46 disse...

eu tenh uma historia triste, setembro de 2005 minha filha teve um avc e causou a sua morte, ela so tinha 17 anos isto aconteceu quando ela tinha que colocar uma valvula mitral, e o medico dela disse que ela teria que tomar sangue para fazer a cirurgia, quando foi colocado o sangue nela derrepente ela ficou vermelhinha parecia que ia jorrar sangue pelos porros, acionei os medicos mas nada adiantou quando foi no final da tarde ela deu o avc, e ai sim foi muito triste pois nao tinha as informacoes que tenho hoje, talvez se soubesse lidar isto nao teria acontecido, eu so sei de uma coisa eu sofro muito e sei que este sofrimento vai ser eterno, nao desejo isto a ninguem, pais fique mais atento com seus filhos, observe tudo.

Anônimo at: 30 de novembro de 2011 20:47 disse...

Meu sobrinho com 11 anos teve um sintoma de AVC paralisia do braço esquerdo e perna esquerda, boca torta falando... o medico examinou deu remedio fez exames... ele melhorou .. voltou pra casa sem sequelas... apos 3 dias... mesma coisa.. voltou ao hospital falaram em possivel ataque de epilepsia... nao concordo com isso.. o que pode ter ocorrido ??? todos os exames deram normais... ?? Como confiar nos medicos?? Mandem por favor sugestoes do que fazer...
aguardo..
joao ramos
vila velha - ES msn: jclramos_129@msn.com

Dra Rejane Macedo at: 26 de janeiro de 2012 22:52 disse...

Sr João Ramos,
As causas de hemiparesia aguda em criança (fraqueza em um lado do corpo) são variáveis e crise epiléptica entra como diagnóstico diferencial importante. É bem comum ocorrer hemiparesia transitória pós crise, conhecida como paralisia de Todd, inclusive bem mais comum que um AVC em criança, que tem uma baixa incidência. Após uma investigação detalhada, o médico poderá excluir patologias como o AVC e definir um diagnóstico. Um eletroencefalograma normal não exclui crise epiléptica, mas um exame de ressonância magnética normal exclui um AVC.

Anônimo at: 18 de março de 2012 22:50 disse...

Meu filho teve um avc hemorrágico aos 11 anos vítima de um aneurisma de carótida direita em bifurcação,ele teve sangramento bi lateral, fez a cirurgia de clipagem e por mais incrivel que pareça em nenhum momento ele ficou com os movimentos afetados, ou seja, o menino ficou completamente curado, sem sequele motora e intelectual, em momento nenhum teve qualquer tipo de complicação. Hj ele tem 17 anos mede 1.90 metro e serve a Deus dando seu testemunho e mostrando que Deus é MARAVILHOSO, esta terminando o segundo grau e vai fazer faculdade de teologia, pois seu amor por Jesus é imenso e segundo ele diz, que Jesus deu o livramento para ele poder recrutar almas para JESUS, pois não cai uma folha que não seja da vontade do Pai.

{ Cleide } at: 17 de abril de 2012 18:47 disse...

Meu filho teve um avc hemorragico aos 9 anos quando chegou da escola teve uma forte dor de cabeça e a perda do movimento do lado esquerdo entortou a boca e começou a baba e enrolar a voz desconhecia até o momento avc em crianças achei que poderia ser tudo menos um avc doença normalmente conhecida em pessoas mais velhas o socorro foi rápido menos de 20 min.ficou 1 mês internado passou por duas cirurgia e graças a deus ficou só com o lado esquerdo sem movimentar hoje dois anos depois com terapias ele voltou a caminhar mais o braço ainda não voltou o movimento mais estamos lutando para isso se reverter agradeço a deus todos os dias por ter o meu filho do meu lado e poder fazer o melhor que posso para ver totalmente recuperado

Anônimo at: 19 de abril de 2012 12:25 disse...

O filho da minha vizinha aconteceu o mesmo, passou mal na escola
foi socorrido, ficou internado tres dias fez cirurgia,mas acabo de receber a triste noticia de que ele não resistiu. è pena que não haja prevenção,pois ele era uma criança muito cheia de vida.

{ andrea luiza } at: 6 de maio de 2012 19:04 disse...

BOA TARDE MEU FILHO TEVE UM AVC COM 14 ANOS,FICOU INTERNADO 18 DIAS FICOU COM SEQUELA DO LADO ESQUERDO,ELE FEZ FISIOTERAPIA NA AACD MAS JA TEVE ALTA, E OS MOVIMENTOS NÃO VOLTARAM DO LADO ESQUERDO OS COLEGAS DELE FALOU QUE ELE TEM,QUE PRATICAR LUTA SO QUE EU TENHO MEDO ELE TEM VINTE ANOS E ESTA REVOLTADO, POR TER TIDO UM AVC O QUE EU DEVO FAZER,EU QUERIA QUE ELE PRATICA-SE NATAÇÃO MAS ELE NÃO QUER ,ELE QUER DESCONTAR .. TODA A RAIVA NA LUTA SERA QUE ELE ESTA CERTO OU NÃO.

{ Alessandra Pereira } at: 29 de maio de 2012 18:17 disse...

eu sei bem o que vc sente. Tbm perdi minha filha vitima de um avc isquemico. A dez meses convivo com essa dor. Ela tinha apenas 9 anos, e era unica filha, criei ela sozinha, eramos apenas nos duas em casa. Eu quiz criar ela do meu jeito, e consegui. Era muito bem educada, era tudo de bom na minha vida. Uma criança adoravel, mas peço sempre a Deus q nao me deixe perder a fé.

Anônimo at: 11 de junho de 2012 19:01 disse...

OI Andrea sou a Cleide e passo pela mesma situação que a tua,só que o meu filho apesar de ter ficado com sequelas do lado esquerdo graças adeus tem encarado numa boa todas as dificuldades e preconceitos q vivemos, fazen dois anos q ele teve o avc hoje ele tem 11 anos,coloquei meu filho de 6 anoa na luta de Taikondo e despertou nele a vontade de fazer tambén entãofui um dia sozinha até a academia e falei com o prof.e ele me recomendou faz dois mesês q ele esta fazendo e esta adorando o q eu tento passar para ele q ele apessar das dificuldades ele não é diferente de ninguén lá na aacd mostro para ele o q é realmente dificuldade,força e não desista estamos juntos nesta luta.abraço

Anônimo at: 13 de julho de 2012 15:24 disse...

Eu tenho 15 anos e estou desconfiando de estou com AVC hoje irei no medico e vou saber se estou ou nao eu to com muito medo eu nao quero morrer agora...

{ Jaqueline Mangia } at: 27 de julho de 2012 11:46 disse...

ola,sou jaqueline de teresopolis,tenho uma filha de 10 anos que teve um avc esquenico,no dia 08/06/2012.Estou sem saber o que fazer,pois ela já fez varios exames e nenhum medico conseguiu descobrir a causa deste avc.Ela pode vir a ter outro avc como posso me previnir para que não aconteça de novo?

Anônimo at: 6 de agosto de 2012 17:12 disse...

Meu nome é Mariana. Meu filho em 21/10/11, teve um AVCI extenso e, na época tinha 1 ano e onze meses.Ficou hospitalizado por 25 dias e a causa não foi definida, estava no hospital na hora devido a uma brocoespasma/pnemonia. Ficou em risco de vida por alguns dias e, depois Graças a Deus sobreviveu. Hj estamos com tratamentos de reabilitação 2X/semana e tb frequenta a escola; ainda manca um pouco ao andar, levanta o braço esquerdo um pouco mas ainda não mexe a mão.... entendo e sinto tudo isso que vcs estão passando...é muita luta, muita insistencia e muita coragem. Agradeço muito a Deus por ter superado estes momentos que, muitas vezes me recordo, foram bastante tristes e inseguros. Desejo a vcs muita coragem, informação, fé e amor...eles são nossa maior presente.

Anônimo at: 18 de agosto de 2012 21:30 disse...

aki "jamile Brasil" parabens a todos vcs pela coragem e luta,vcs nunca devem desistir e nem perder a fé em Deus, pois ele é o Deus do impossível, busquem sempre a Ele em oração e procurem fazer sempre a vontade Dele q está na bíblia sagrada. sempre que tiverem oportunidade contem seus testemunhos de vida de seus filhos para outras pessoas conhecererem esse nosso Deus do milagre.

{ Sandra Avalos } at: 25 de agosto de 2012 08:27 disse...

Bom dia à todos!
Minha filha teve AVC hemorrágico ao nascer, depois de um mês descobriram que o ela tinha uma cardiopatia gravíssima, foram dois meses de desespero, fé, esperança, com 40 dias de vida foi operada no Hospital BP para corrigir o problema no coração (4 veias invertidas, doença rara). Graças à Deus e aos médicos, ela sobreviveu a tudo isso, está com 7 anos de vida. O AVC deixou sequelas do lado direito, e o maior deles a fala. É como todos dizem, só o tempo vai dizer se ela vai falar normalmente ou não, ela anda, entende quase tudo, está na escola, mas tem atraso. Faz terapias como TO e Fono,e é assistida pela AACD com a fisiatra. O que eu posso dizer aqui, jamais deixem de lutar pelos seus filhos, a criança que teve um AVC ela precisa de muito estimulo, terapias, e de uma coisa preciosa; TEMPO, tudo é no tempo dela e não no nosso. UM abraços a todos, força para cada um de vocês e jamais percam a fé.
Sandra Ávalos

Anônimo at: 19 de setembro de 2012 08:19 disse...

Querida internalta aconteceu o mesmo com meu sobrinho de apenas 11 anos, teve uma dor de cabeça somente,disse assim para minha irma:A dor e diferente de todas que tive mãe, foi ao hospital o medico disse que era enxaqueca, receitou um analgesico e antienflamatorio, em menos de 12 horas ele desmaiou e não voltou mais. Morte por AVC.
Sem maiores indicações, como: formigação, paralização de algum lado, hoje faz 2 meses. Estamos ainda muito triste e não aceitamos o erro do pediatra que não detectou nada e nem encaminhou para nenhum especialista. Olha que foi um hospital muito bem conceituado em BH. HOje ele poderia estar aqui se tivesse recebido atendimento competente.

flavia at: 2 de outubro de 2012 07:55 disse...

minha filha teve avc esquemico e tem3 anos qual aprobabilidade de acontecer de novo

{ Paula Maria } at: 18 de outubro de 2012 00:41 disse...

Meu filho Arthur,nasceu no dia 16/02/2009 em Ribeirão Pires -S.P, ele teve um AVC Isquêmico do lado esquerdo logo após o nascimento, percebi que umas 3 horas após seu nascimento ele abria e fechava as mãozinhas e virava os olhos, mal eu sabia que ele estava convulsionando. Quando falei para pediatra do hospital que ele nasceu, ele não deu muito atenção, dois dias depois fomos para casa e ele continuava,ai resolvi voltar ao hospital e passamos por uma pediatra que estava estudando neuropediatria, quando disse a ela o que estava acontecendo, ela se desesperou já mandou medicado para parar as convulsões, e solicitou a internação para UTI Neonatal onde Arthur ficou durante 10 dias para avaliação. Fez ressonâncias, tomo, eletros, ai se descobriu o AVC, nos informaram que era um caso raro, um a cada 100 mil nascimentos. Ai começou nossa correria, aos 15 dias de nascimento ele já estava sendo acompanhado pelos profissionais da APAE de Rib. Pires, e pelo neuro de lá e do nosso convênio. Teve que tomar gardenal durante 2 anos e 9 meses. O primeiro neuro a avalia-lo disse que ele não iria andar, falar, teria o lado direito do corpo paralizado, já que foi do lado esquerdo o AVC, então ele paralisa o lado contrário. Mas graças a Deus Arthur completou ontem dia 16/10, 3 anos e 8 meses, e no ultimo dia 11/10, passou pelo neuro que avaliou seu eletrocefalograma e acabou dando alta, pois está tudo perfeito.
Hoje fiquei muito feliz em encontrar este blog e compartilhar minha experiência, pois em 2009, depois de descobrir o caso do Arthur, ficava horas na internet buscando sites sobre o assunto e pouca coisa eu encontrei. Parabenizo quem criou este site, o qual com certeza irá ajudar muitos pais desesperados, que possamos continuar a compartilhar nosas experiencias.

{ Paula Maria } at: 18 de outubro de 2012 00:47 disse...

é verdade doutora, a classe pediátrica ainda está sem bases para lidar com esses casos.

Anônimo at: 20 de outubro de 2012 10:22 disse...

Também ja fiquei sabendo de vários casos de AVC em crianças abaixo de 3 anos, por isso acho de extrema importância saber os sintomas e saber diagnosticar, pois acreditamos que esse problema não existe em crianças.

Anônimo at: 20 de outubro de 2012 10:23 disse...

Muito boa essa reportagem, vi um caso acontecer na minha família assim e jamais imaginei que isso poderia acontecer com uma criança!

Anônimo at: 9 de dezembro de 2012 20:35 disse...

Olá,
Tenho um filho de 04 anos que aos 7 meses teve um AVCI. Ficou 7 dias internado. Muitas investigações, uma da provável causa foi uma CIA (comunicação intra atrial), mas também descobriu que ele tem deficiência da Proteína S livre. A proteína C e antitrombina normais.
Hje ele está ótimo, sem sequelas. Graças a Deus.
Ele tem uma indicação cirúrgica de adenóides e gostaria muito de informações médicas a cerca dessa cirurgia,considerando o que escrevi acima, principalmente sobre a deficiência da proteína. Estou nervosa e confiante. Ele respira muito mal, ronca muito e é agitado.
Por favor se tem algum médico especialista na área me ajudem. A cirurgia dele é dia 18 de dezembro.
Agradeço
Viviane

Anônimo at: 10 de dezembro de 2012 09:06 disse...

Paula,
Li seu comentário e ele se parce muito com o q aconteceu com meu filho, foi no mesmo ano em 2009, ele tinha 7 meses, hj Graças a Deus está bem. Gostaria de saber de você se descobriram a provável causa.

Abraços
Viviane

{ HB } at: 15 de janeiro de 2013 15:11 disse...

Minha filha hoje com 8 anos teve um AVCi com 4 anos.
Ela havia feito uma cirurgia para corrigir uma CIA com 2anos e meio e havia dado tudo certo.
Uma noite, com 4 anos ela acordou chorando muito e sem falar nada. Descobrimos que ela estava com o lado direito paralisado e foi diagnosticado o AVC.
Após 1 semana ela já estava falando novamente e hoje tem alguma dificuldade no pisar com o pé direito e com a mão e braço direito.
Também foi diagnosticado deficiência na proteina S.
Se alguem tiver dicas para o tratamento da recuperação do lado direito agradeço.
Força para todos, Hamilton

{ HB } at: 15 de janeiro de 2013 15:12 disse...

Minha filha hoje com 8 anos teve um AVCi com 4 anos.
Ela havia feito uma cirurgia para corrigir uma CIA com 2anos e meio e havia dado tudo certo.
Uma noite, com 4 anos ela acordou chorando muito e sem falar nada. Descobrimos que ela estava com o lado direito paralisado e foi diagnosticado o AVC.
Após 1 semana ela já estava falando novamente e hoje tem alguma dificuldade no pisar com o pé direito e com a mão e braço direito.
Também foi diagnosticado deficiência na proteina S.
Se alguem tiver dicas para o tratamento da recuperação do lado direito agradeço.
Força para todos, Hamilton

Anônimo at: 23 de janeiro de 2013 10:04 disse...

Olá como citei acima meu filho teve um AVC com 1 ano e onze meses..hj 15 meses depois após muitas descobertas de reabilitação e consultas médicas, sugiro que procure a Rede Lucy Montoro no estado de SP ou a SARAH no resto do brasil. Eles possuem um atendimento profissional exemplar e meu filho tem melhorado muito da seuela de hemiplegia.Seu tratamento é todo pelo sus. Foi uma longa batalha de paciencia, inscrições, triagem que duraram em média 6 meses mas está sendo super favorável. Também sou espírita e levamos semanalmente para passes na Federação. Isso tb ajudou demais

{ Rebeca Matana } at: 28 de janeiro de 2013 03:15 disse...

tive um avch em 200, na epoca tinha 12 anos, o meu foi causado pq e genetico

{ Rebeca Matana } at: 28 de janeiro de 2013 03:18 disse...

tive um avch em 2008, na epoca tinha 12 anos, o meu foi causado pq e genetico

Anônimo at: 1 de fevereiro de 2013 00:54 disse...

Meu nome é Juliana e tenho 3 lindos filhos, no último dia 21 de janeiro meu filho mais filho Paulo que tem 6 anos teve um AVC isquémico com paralisia total do lado esquerdo do corpo.Neste dia no praso de 2 hs ele teve 4 AVCS ele foi diagnosticado a princípio como baixa glicose, em seguida com paralisia de Tody com eventos de convunção e três dias depois já recuperado andando e falando normalmente recebemos o diagnóstico AVC, então eu e meu marido conseguimos a transferência dele para o Hospital Pequeno Príncipe onde ele está sendo investigado ainda não temos um diagnóstico das causas os médicos estão buscando um resposta, estamos muito apreensivos pois não sabedos o que provocou o AVC e nem como tratar hoje ele está em casa e os médicos continuam pesquisando.Oro a Deus para ele continue protegendo meu filho, pois segundo os médicos hoje ele deveria estar paralisado.Confesso que me culpo pois os sintomas estavam muito claros na minha frente e eu não prestei muita atenção , ele a muito tempo vinha tendo dormências que variavam o braço para a perna esquerda, dores de cabeça e com o passar do tempo ele tornou exztremamente sensível.

Anônimo at: 8 de fevereiro de 2013 17:31 disse...

Com 24 dias meu filho Henrique sofreu uma queda do bebê conforto pois estava sem o cinto. Ficou em observação na UTI de Governador valadares/MG por 1 dia e foi encaminhado para BH no Neocenter(Felício Rocho). Lá descobriram um tumor-neuroblastoma maligno e que ele teve uma isquemia na gestação do lado esquerdo.
Hoje Henrique esta com 7 meses, pesa 11kg, 75cm e faz acompanhamento desde os 2 meses de vida com fono e fisioterapia. Não precisou realizar nenhum procedimento de quimioterapia ou radio.
Dayse Hespanhol da Cunha Félix - Mãe

Anônimo at: 20 de maio de 2013 22:26 disse...

Olá...minha subrinha com 9 dias de nascida ela teve uma reação estranha ficou paralizada com os olhinhos bem arregalados e sem nenhuma reação.Já não tinha forças pra mamar...e muito agitada...levamos ao hospital teve uma infecção e depois de uma tomografia foi constatada o avc...hoje os médicos estão esperando pra que a hemorragia paralise ou se não vão fazer uma cirurgia pra colocar uma válvula....gostaria de saber se nesse caso as possibilidades do avc paralisar e a criança sair sem sequelas existe...e mesmo com a cirurgia se as possibilidades de sair sem sequelas sao as mesmas...aguardo por uma resposta se possivel....obrigada

{ marilin } at: 31 de maio de 2013 14:17 disse...

meu netinho gustavo;ten 1 ano e 6 meses;tive un avc. con 45 dias ,tendo acompanhado ele sempre con o neurologista .;fizemos as resonancias ;etudos os examenes cabiveis;sinto-me lesada pela falta de informação...que os especialistas...parecen oferecer como consolo...eu pesquiso...mas quería algum confoto .especializado, sei por mia propia experiencia que o sistema publico fomenta o descaso ;mas o particular ten mil formas de acompanhamento...mia situação deu una virada e hoje ...não posso isufruir do luxo de un medico......apenas """"""""'bom""""""""""".sinto ..enormemente recentemente ,,descobri que a memoria cognitiva, ...será o proximo desafío ....sou tão inexperiente.......

Anônimo at: 3 de setembro de 2013 02:31 disse...

por favor Ana Paula o mesmo aconteceu com minha filha em 30 de abril de 2013. Por favor poderia me dar mais informações de como foi o seu caminho até aqui?
Abraço

Anônimo at: 9 de outubro de 2013 19:20 disse...

cuidado avc mata

Anônimo at: 29 de novembro de 2013 17:18 disse...

Tenho uma filha que naceu com Hiperdislipidemia familia, hoje ela está com 1.400 de triglicérides, gostaria de saber qual o real risco de minha filha ter um AVC?
E-mail: alegomesdiniz@hotmail.com

Anônimo at: 29 de novembro de 2013 17:21 disse...

Que tipo de doença genética vc tem?

{ Sandra Avalos } at: 3 de fevereiro de 2014 10:46 disse...

Bom dia à todos! Alguns anos deixei meu depoimento aqui sobre o AVC que minha filha sofreu ao nascer, hoje graças à Deus ela está bem, claro com sequelas, principalmente na fala, mas que não impede minha filha de levar uma vida normal. Por conta desse depoimento conheci minha amiga Paula que também seu filho sofreu AVC e ele graças à Deus sem sequelas nenhuma. Por conta disso decidimos criar uma página no Facebook "AVC em crianças, casos raros mas reais" juntas administramos a mesma e hoje recebemos muitos depoimentos de pais em que seus filhos sofreram avc, a maioria delas, quase todos as crianças sobreviveram, cada uma delas com sequelas diferentes outras com nenhuma. Muitos depoimentos aonde até hoje não descobriram o porque seus filhos sofreram o avc, no caso da minha filha foi por conta da cardiopatia. Hoje lendo novamente os comentários, vejo que o AVC em criança não é tão raro assim, o meu e nosso desejo é que todos descubram a causa, porque a criança sofre o AVC, enfim, vi também que a médica doutora Rejane Macedo respondeu algumas perguntas aqui feita, acho que como pais o desejo de todos é igual. Deixo aqui mais uma vez TEMPO esse é melhor remédio para as crianças que passaram por isso, estimulos, terapias são muitos importantes e dizer que chego o dia que a criança não passe mais por isso, que exista exames que previnam o AVC, sei de um, mas que serve para crianças tem possuem anemia falciforme, ou seja evitando assim o risco, mas para aquelas crianças que não tem nada e derrepente ocorre??? Bom dia à todos e se puderem visitem a página e deixe lá seus depoimentos, pois muitos deles servem de esperança para outros pais. Obrigada e fiquem com Deus !!!! Sandra Ávalos

Anônimo at: 31 de março de 2014 17:48 disse...

meu filho de 10 anos, teve uma hemorragia intra craniana, segundo o medico q atendeu na emergencia causado pela um má formação da arteria. simplesmente meu filho morreu, pois os pediatras ainda não sabem lidar com um problema tão grave.

Anônimo at: 2 de junho de 2014 15:08 disse...

Tive um avc aos dez anos, hj já tenho 16, por milagre de Deus fiz a cirurgia e ñ fiquei om nenhuma sequela, até hj trato pra saber se está tudo bem, mais até ano passado bati uma tomografia e a doutora sem me explicar muito disse que ñ tava tudo bem, e me encaminhou para o neurocirugiao para saber o que seria resolvido, fiquei com muito medo de ter que cortar o cabelo de novo pq eé muito dificil pra quem ja superou um avc e ter que passar por aquilo denovo, o medimédico disse que ñ me preocupasse que se Deus quisesse ñ ia ser preciso, agora to fazendo tratamento cateterismo ja fiz 3 só do final do ano pra cá, vou fazer mais e mais até acabar, é xato isso, mais pra quem tem um sonho e quer durar ainda muitos anos tem que segurar a barra, só sei que até hj nemhum medico descobriu o pq do avc que eu tive, sou uma garota saudável sem nehum outro problema e nem alguém da família nunca tiveram esse tipo de caso que ocorreu cmg.'

{ Sidnéia Araujo } at: 21 de junho de 2014 07:01 disse...

excelente muito esclarecedor o filho da minha amiga sofreu a avc ele estava na escola

Anônimo at: 14 de agosto de 2014 14:56 disse...

Em 2012 nesta página conheci a Sandra Ávalos, a mãe da Ana Beatriz que também havia sofrido um Avc ao nascer, assim como meu filho Arthur Bruno hoje com 5 anos sem sequelas, ficamos em contato e nos tornamos amigas e sentimos a necessidade de abrir uma página e abrimos no facebook a página "AVC em crianças, casos raros, mas reais", o qual já gerou inúmeros depoimentos e trocas de experiências e no último dia 10/08/2014 tivemos nosso primeiro encontro no Parque da Água Branca, o qual foi muito gratificante e emocionante. Paula M. S. Meneghetti

Postar um comentário

 

Seguidores

ONG DCM nas 100 mais votadas no Prêmio Top Blog

ONG DCM participa da Hora do Planeta

ONG DCM participa da Hora do Planeta
Participe você também!

"...Temos outras metas, tais como administrar aulas de informática, cursos profissionalizantes em diversas áreas, tais como: panificação, cabeleireiro. Pretendemos administrar aulas de noções básicas de alimentação e nutrição incluindo sua preparação. Dentre estes temas, não podemos esquecer de problemas muito presentes , tais como a Violência Doméstica e o abuso sexual de crianças e adolescentes nas ruas ou na própria casa. Porém, para que todos os nossos projetos se concretizem necessitamos de parcerias, pois só recebemos doações. E observamos a carência e necessidade que esta população possui em receber tais informações, cursos e principalmente uma fonte de renda acessível, assegurando a sobrevivência digna, pois uma grande maioria sobrevive com menos de um salário mínimo, sendo a mãe a chefe da família em muitos casos." Rosa Maria Martucci, Psicóloga da ONG DCM (2009)
ONG DCM - Defesa e cidadania da Mulher. Tecnologia do Blogger.

About Us

NOSSA CONTA!

NOSSA CONTA!
Esse é o número correto. Ajude-nos!

DISQUE 180

DISQUE 180
CENTRAL DE ATENDIMENTO À MULHER

Copyright © ONG Defesa e Cidadania da Mulher (DCM) - Praia Grande All Rights Reserved • Design by Dzignine
best suvaudi suvinfiniti suv